Carta 2 a Inês de Praga

Introdução

Esta carta fala de Frei Elias como ministro geral e isso nos ajuda a datá-la. Ele tinha sido vigário geral de 1221 a 1227, mas esteve como ministro geral de 1234 até 1239, quando foi deposto. Mas há outro fato que pode determinar melhor ainda a data da carta: Clara parece aludir à pressão exercida por Gregório IX para que Inês recebesse propriedades e isso foi feito através do decreto "Cum relicta saeculi", de 18 de maio de 1235. Inês, bem aconselhada por Clara, resistiu, e o papa acabou cedendo em 1237, pela bula "Omnipotens Deus", em que passava direção do hospital de Praga para os Crucígeros da Estrela Vermelha.

Carta 2 a Inês de Praga

1,2 Clara, serva inútil e indigna das pobres damas, saúda dona Inês, filha do Rei dos reis, serva do Senhor dos senhores (cfr. Ap 19,16; 1Tm 6,15), esposa digníssima de Jesus Cristo e por isso rainha nobilíssima, augurando que viva sempre na mais alta pobreza

3 Agradeço ao Doador da graça, do qual cremos que procedem toda dádiva boa e todo dom perfeito (Tg 1,17), pois adornou-a com tantos títulos de virtude e a fez brilhar em sinais de tanta perfeição,

4 para que, feita imitadora atenta do Pai perfeito (cfr. Mt 5,48), mereça ser tão perfeita que seus olhos não vejam em você nada de imperfeito (cfr. Sl 138,16).

5 É essa perfeição que vai uni-la ao próprio Rei no tálamo celeste, onde se assenta glorioso sobre um trono estrelado.

6 Desprezando o fausto de um reino da terra, dando pouco valor à proposta de um casamento imperial,

7 você se fez seguidora da santíssima pobreza em espírito de grande humildade e do mais ardente amor, juntando-se aos passos daquele com quem mereceu unir-se em matrimônio.

8 Mas eu sei que você é rica de virtudes e vou ser breve para não a sobrecarregar de palavras supérfluas,

9 mesmo que não lhe pareça demasiado nada que lhe possa dar alguma consolação.

10 Mas, como uma só coisa é necessária (Lc 10,42), é só isso que eu confirmo, exortando-a por amor daquele a quem você se entregou como oferenda santa (cfr. Rm 12,1) e agradável.

11 Lembre-se da sua decisão como uma segunda Raquel: não perca de vista seu ponto de partida, conserve o que você tem, faça o que está fazendo e não o deixe (cfr. Ct 3,4)

12 mas, em rápida corrida, com passo ligeiro e pé seguro, de modo que seus passos nem recolham a poeira,

13 confiante e alegre, avance com cuidado pelo caminho da bem-aventurança.

14 Não confie em ninguém, não consinta com nada que queira afastá-la desse propósito, que seja tropeço no caminho (cfr. Rm 14,13), para não cumprir seus votos ao Altíssimo (Sl 49,14) na perfeição em que o Espírito do Senhor a chamou.

15 Nisso, para ir com mais segurança pelo caminho dos mandamentos (cfr. Ps 118,32) do Senhor, siga o conselho de nosso venerável pai, o nosso Frei Elias, ministro geral.

16 Prefira-o aos conselhos dos outros e tenha-o como o mais precioso dom.

17 Se alguém lhe disser outra coisa, ou sugerir algo diferente, que impeça a sua perfeição ou parecer contrário ao chamado de Deus, mesmo que mereça sua veneração, não siga o seu conselho.

18 Abrace o Cristo pobre como uma virgem pobre.

19 Veja como por você ele se fez desprezível e o siga, sendo desprezível por ele neste mundo.

20 Com o desejo de imitá-lo, mui nobre rainha, olhe, considere, contemple o seu esposo, o mais belo entre os filhos dos homens (Sl 44,3) feito por sua salvação o mais vil de todos, desprezado, ferido e tão flagelado em todo o corpo, morrendo no meio das angústias próprias da cruz.

21 Se você sofrer com ele, com ele vai reinar; se chorar com ele, com ele vai se alegrar; se morrer com ele (cfr. 2Tm 2,11.12; Rm 8,17) na cruz da tribulação vai ter com ele mansão celeste nos esplendores dos santos (Sl 109,3).

22 E seu nome, glorioso entre os homens, será inscrito nolivro da vida (Sl 109,3).

23 Assim, em vez dos bens terrenos e transitórios, você vai ter parte na glória do reino celeste eternamente, para sempre, vai ter bens eternos em vez dos perecedores, e viverá pelos séculos dos séculos.

24 Adeus, irmã querida, senhora minha pelo Senhor que é seu esposo.

25 Em suas piedosas preces, procure lembrar ao Senhor(cfr. At 14,22) de mim e de minhas Irmãs, que nos alegramos com os bens que o Senhor realiza em você por sua graça

26 Recomende-nos também, e muito, às suas Irmãs.

Jornal Terra Nova

Ouça a Rádio Nova